CARREIRA SOLO

Depois de mais de 13 anos como Enólogo-chefe da Villa Francioni de São Joaquim na serra catarinense(desde o início das atividades da vinícola), Orgalindo Bettú, vai seguir carreira solo,mas continuará dando consultoria à distância.

Para realizar seu projeto, Bettú está construindo uma vinícola na Serra Gaúcha, onde irá elaborar vinhos diferenciados, de Alta Gama e baixa produção, algo em torno de 3.000 garrafas/ano, utilizando uvas próprias de um pequeno vinhedo que adquiriu há pouco mais de 10 anos.

A previsão para lançamento dos primeiros vinhos, ainda não tem data definida, mas estima-se algo em torno de seis meses a um ano.

Os vinhos serão vendido somente na vinícola, que contará com uma sala de degustação, para que os apreciadores conheçam o produto antes de comprar.

Orgalindo não pretende investir em nenhum tipo de publicidade,para divulgar seus vinhos, pois será uma produção muito pequena e acredita que o boca a boca,será suficiente.

Não tenho dúvidas que estes vinhos farão grande sucesso entre os conhecedores.

 

 

 

Vinhos Brasileiros que o Grande Público Desconhece

Tenho quase certeza que muitos brasileiros que falam mal do vinho nacional, desconhecem a existência da grande variedade de vinhos do nível deste tinto elaborado com a uva Barbera, pela Vinícola Angheben do Vale dos Vinhedos, pois devido à pequena produção, não são vendidos em supermercados, onde a maioria do consumidor compra seus vinhos.

Já tive a oportunidade de beber este Barbera, em varias ocasiões, de varias safras diferentes e em todas o vinho nunca decepcionou. Sábado eu tomei novamente e novamente agradou em cheio.

O Angheben Barbera pode ser comprado direto na vinícola ou na loja Vinhos e Sabores de Porto Alegre que entrega em todo o Brasil. Seu preço gira em torno de R$80,00.

Vale a pena provar e para quem for visitar o Vale dos Vinhedos, não deixe de agendar uma visita para conhecer a vinícola de propriedade do professor Francisco Idalêncio Angheben e seu filho Eduardo Angheben.

Pequenas Vinícolas Grandes Vinhos

Aproveitando uma brecha na minha programação deste final de semana aqui no Vale dos Vinhedos, hoje pela manhã, fiz uma rápida visita à vinícola Terragnolo.

A vinícola foi fundado há 12 anos, pelo jovem enólogo Sandro Valduga que faz parte da quarta geração da família de Luigi Valduga que imigrou para o Brasil em 1875, vinda da localidade de Terragnolo na província de Trento na Itália.
Ao fundar a Terragnolo, nome dado em homenagem ao lugar de onde vieram seus antepassados, Sandro decidiu investir em vinhos diferenciados de produção limitada, voltados à um público consumidor mais exigente.

Seus produtos da linha Top é composta de 4 vinhos:

Chardonnay-Greda Top 2015- com passagem de 12 meses em barricas novas de carvalho francês, elaborado com uvas Chardonnay cultivadas em vinhedo de 742 metros de altitude e colheita tardia, feita no final de fevereiro. Seu teor alcoólico é de 14.5%. Foram feitas apenas 4 barricas o equivalente a 1.200 garrafas. O preço na vinícola é de 130,00.

Pinot Noir-Loess 2015- maturou 12 meses em barricas novas de carvalho francês, elaborado com uvas Pinot Noir cultivadas em vinhedos de 742 metros acima do nível do mar e colheita tardia, feita no dia 10 de fevereiro de 2015. Seu teor alcoólico atingiu 15%. Foram produzidas 5 barricas, equivalente a 1500 garrafas e o seu preço na vinícola é de R$150,00.

Marselan- Boulder Top 2012-maturou 36 meses em barricas novas de carvalho francês, elaborado com uvas Marselan, em vinhedos cultivados há 742 metros de altitude, também de colheita tardia, realizada no final de março, tendo sua graduação alcoólica atingido 14%. Foram produzidas apenas 1500 garrafas e o preço na vinícola é de R$130,00.

Merlot Calhaus 2014, o seu lançamento mais recente, foi elaborado com uvas colhidas tardiamente, em 13 de março de 2014, maturou durante 36 meses em barricas novas de carvalho francês e o seu teor alcoólico é de 14%. Foram produzidas 3.300 garrafas e o seu preço é de R$150,00.

Destes 4 vinhos eu já tomei o Marselan Boulder e o Pinot Noir Loess, os dois são vinhos excelentes, mas o Marselan Boulder 2012 é fantástico.Os outros dois que ainda não degustei, eu comprei hoje.

Além destes da linha Top, eles elaboram dois belos vinhos da linha Reserva, também com passagem por barricas, um Merlot e um Marselan que degustei hoje lá na vinícola, além de um espumante Brut Champenoise.

Todos os vinhos da Terragnolo, são produzidos somente com uvas cultivadas em vinhedos próprios, um total de 12 hectares.

Além da vinícola, a Terragnolo possui uma moderna pousada, construída na parte da frente do terreno, com 5 suítes para casal, todas com banheira de hidromassagem instaladas em sacadas envidraçadas com vista para o Vale e adega recheada de vinhos.

Sai de lá encantado com a proposta do negócio que está sendo desenvolvida pelo Sandro e sua esposa. Se um dia eu tivesse um negócio neste segmento, provavelmente seria neste modelo.

Na próxima vez que retornar ao Vale dos Vinhedos, com certeza ficarei hospedado lá!

Vinho branco alentejano, um jovem aos sete anos!

À noite de ontem, foi dedicada a degustar este ótimo branco português do Alentejo, um assemblage elaborado com 3 variedades nativas daquele país:Arinto, Fernão Pires e Roupeiro.

O Terrenus Branco 2010 é um Vinho Regional Alentejano, produzido pelo renomado enólogo Rui Reguinga, com uvas cultivadas na Serra de São Mamede, fermentou parcialmente em barricas de carvalho francês e o seu teor alcoólico é de 13%.

No visual apresentou um amarelo palha com tons esverdeados, no aroma predomina frutas brancas frescas e maduras, na boca é um vinho de boa estrutura, fresco, mineral, possui ótima acidez e final de grande persistência.

Foi um ótimo parceiro para acompanhar uma salada verde com sardinha.

Vinho maravilhoso, mesmo com 7 anos de idade, permanece com suas características intactas.

Na loja Vinho e Arte, em Porto Alegre, está a venda por R$165,00.