A Epamig e o Sucesso dos Vinhos da Região Sudeste

Começa a surgir no Sudeste do Brasil mais um pólo vitivinícola, impulsionado pela descoberta da  uma tecnologia que está revolucionando a produção de vinhos finos naquela região.

Depois de ler e ouvir vários comentários elogiosos a respeito de alguns vinhos produzidos no interior de São Paulo e no Sul de Minas, resolvi fazer a prova e o resultado confirmou tudo o que estão falando,  fiquei surpreso e impressionado com a ótima qualidade dos produtos.

A curiosidade e a vontade de conhecer esta inovação, me levaram até a Estação Experimental de Viticultura e Enologia – Epamig, no município de Caldas-MG,onde tudo começou.

Numa tarde de sexta-feira, deste mês de novembro,fomos recebidos pela enóloga Isabela Peregrino, após as apresentações de praxe, Isabela fez um breve relato sobre a história da Epamig, fundada há 81 anos, com o objetivo de apoiar os produtores de uvas e vinhos da região. Inaugurada em 1936, pelo então Presidente da Republica Getúlio Vargas, pertenceu ao Governo Federal até 1973, quando foi assumida pelo Governo do Estado de Minas Gerais.

A seguir, Isabela explanou sobre os diversos trabalhos e pesquisas desenvolvidas pela Epamig, onde se destacam a elaboração de vinhos e a produção de mudas de videiras.

Depois fomos conhecer os vinhedos experimentais, onde estão sendo desenvolvidas várias pesquisas, com diversos tipos de castas.

Também conhecemos a estrutura da cantina, onde são elaborados os vinhos experimentais e para alguns pequenos produtores da região.

Na sequência, Isabela explicou detalhadamente, a utilização da técnica de dupla poda e a colheita de inverno, responsável pela grande transformação na produção de vinhos finos de toda a região Sudeste do Brasil.

Este sistema que já é utilizado em alguns países, consiste na inversão do ciclo produtivo da videira, alterando para o inverno o período da colheita das uvas, quando o clima naquela região é seco e de grande amplitude térmica, propiciando ótimas condições para obtenção de uvas mais maduras e sadias. 

Quem descobriu a viabilidade desta técnica, foi Murilo Albuquerque Regina, pesquisador da Epamig há 30 anos, após anos de estudos e testes.

No ano de 2007 a vinícola Estrada Real,do município mineiro de Três Corações, onde Murilo é um dos sócios, implantou os primeiros vinhedos e iniciou a produção de algumas castas.

O vinho pioneiro resultante da utilização do novo processo, foi o Primeira Estrada Syrah safra 2010, com passagem de 12 meses por barricas de carvalho, 70% francesas e 30% americanas.

Ao final da visita, degustamos um espumante Nature 100% Chardonnay,da vinícola Carvalho Branco, com 2 anos de autólise que está na sua fase final de produção, um Sauvignon Blanc da casa Verrone que já está pronto, um Syrah cuja colheita e vinificação ocorreu no último mês de agosto, a caminho das barricas de carvalho, onde ficará por 11 meses e o Primeira Estrada Syrah 2010 que aos 7 anos mostra o seu grande potencial de guarda!

Por tudo que testemunhei lá na sede da Estação Experimental de Viticultura e Enologia e pelo sucesso que alguns vinhos daquela região, já estão fazendo, junto a críticos e enófilos, não tenho dúvidas que a região Sudeste, está entrando para o mapa do vinho brasileiro de qualidade!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *