Um surpreendente Pinot Noir por apenas 15 reais !

O Weingärtner Pinot Noir,  produzido pelo EngºAgrônomo Marimônio Weingärtner na cidade de Pelotas no Sul do Estado do RS, uma região sem nenhuma tradição vitivinícola, está fazendo sucesso na cidade, pela  sua boa relação custo/benefício!

Degustamos este vinho as cegas neste domingo, e  fomos surpreendidos  com a sua qualidade! Tinha todas as características de um bom Pinot ! No visual, apresentava  uma coloração  rubi  transparente, aromas de  frutas vermelhas e especiarias, com destaque para cravo e canela, na boca tinha corpo médio, boa acidez e álcool equilibrado, e o  final de curta duração, o  seu maior pecado.

pinotdepelotas (478x640)

É claro  que não tinha muita complexidade  e nem o acabamento dos  bons Pinots, mas considerando que o Brasil, salvo raras exceções, não tem tradição na produção de grandes vinhos com esta casta, posso afirmar que o Weingärtner Pinot Noir,  é superior a muitos Pinots produzidos em nosso Pais.  

Vale cada centavo !

Um dos vinhos mais elogiados pela crítica portuguesa em 2013, começa a se destacar também aqui no Brasil, principalmente pela sua excelente relação preço/qualidade.

O Tons de Duorum 2011 seduz em todos os requisitos, possui aromas intensos de frutas negras maduras e especiarias, na boca é aveludado, tem um toque de carvalho bem integrado, é saboroso, tem boa acidez e o final é persistente. Degustei este vinho em três ocasiões diferentes e  em todas, tive a mesma boa impressão.

Duorum1 (478x640)

O Tons de Duorum foi elaborado com 3 castas tradicionais em Portugal, Touriga Franca, Touriga Nacional e Tinta Roriz, cultivadas na região do  Douro Superior, onde o índice pluviométrico é extremamente  baixo e o solo a base de xisto, dão origem a uvas com alta concentração. Seu teor alcóolico é de 13.5% .

Mesmo sendo o vinho básico da Quinta do Castelo Melhor, o Tons de Duorum 2011 é um belo vinho e um dos melhores custo/benefício que já encontrei nos últimos tempos. A garantia da sua qualidade tem nome e sobrenome: José Maria Soares Franco e João Portugal Ramos, dois dos maiores nomes da enologia de Portugal das últimas décadas.

Dificilmente encontraremos no Brasil, um vinho deste nível, por 40 reais .

Vale cada centavo ! 

Os inusitados decanters de Luis Pato

Nestas minhas andanças pelo mundo do vinho eu já vi muita coisa, mas os decanters que estavam sobre a mesa da sala de degustação de Luis Pato, eu nunca tinha visto antes e acredito que pouca gente conhece.

Diferentemente de todos os que eu já vi até hoje , estes possuem um bico na sua base que os deixam com uma permanente inclinação, bastando um leve toque para que fiquem balançando por alguns segundos,  fazendo  o vinho circular em seu interior.  A  imagem da foto acima, me trás a lembrança de dois piões girando. 

Até nos acessórios Luis Pato é um inovador!  Fiquei encantado com a criatividade !

Vem ai mais um grande vinho do Douro, para o mundo

Cacifado pelo enólogo José Maria Soares Franco, responsável pela produção do ícone Barca Velha, durante 28 anos, este vinho que está prestes a ser lançado no mercado, possui todos os requisitos, para se tornar um sucesso internacional.

Na verdade, são dois vinhos com o mesmo nome, um é o Duorum O.Leucura cota 200, produzido com parcelas de vinhedos que se encontram a 200 metros de altitude, mais próximo ao rio e o outro é o Duorum O.Leucura cota 400, que foi elaborado com parcelas de vinhedos a 400 metros de altitude.

FOTOLEUCURA (640x478)

O primeiro é um vinho concentrado, com taninos mais firmes, de longa evolução, devido a temperaturas mais elevadas e o segundo, um vinho mais fresco e elegante, em função do clima mais ameno, mas os dois vinhos, cada um dentro das suas caraterísticas, são excelentes!

Tive o prazer e o privilégio de degustar estes dois vinhos numa visita que fiz há poucos dias, junto com um grupo de enófilos brasileiros, a bela sede da Duorum Vinhos-Quinta do Castelo Melhor, localizada em Vila Nova de Foz Coa na sub-região do Douro Superior, quase na fronteira com a Espanha, resultante de uma sociedade entre  dois enólogos que fizeram história nas últimas décadas em Portugal, Jose Maria Soares Franco e João Portugal Ramos.

Fomos recepcionados pelo próprio Jose Maria, que nos levou a conhecer os vinhedos nas encostas do rio Douro e nos fez uma explanação detalhada, sobre as peculiaridades do terroir da região e do projeto moderno e inovador, para a produção de vinhos do Douro e Porto, com caraterísticas únicas e de dimensão internacional.

Na mesma ocasião, também degustamos o ótimo Duorum Reserva Vinhas Velhas 2009 e os demais vinhos produzidos pela Duorum, todos de boa qualidade, mas os dois O. Leucura, com certeza farão história.