Vinícola Peruzzo um sucesso anunciado!

Este post eu publiquei na plataforma antiga do meu blog, em 01/03/2012, onde relatei a visita que fiz à Vinícola Peruzzo num domingo pela manhã, alguns dias antes !

 Fiquei muito feliz quando soube do sucesso do Peruzzo Cabernet Franc 2012 na Vinum Brasilis 2014, uma das maiores feiras de vinhos nacionais realizada em Brasília, onde foi classificado entre os 10 melhores vinhos brasileiros !

Vinícola Peruzzo uma estrutura de fazer inveja

Em Bagé na Região da Campanha gaúcha, que faz fronteira com a cidade uruguaia de Aceguá, existe uma vinícola pouco conhecida por críticos e enófilos, que possui uma estrutura somente vista nas grandes vinícolas, inspirada nos célebres Châteaux de Bordeaux, integra cantina e vinhedos. Conta com modernos equipamentos para a vinificação e demais etapas do processo de produção,  dentro dos mais exigentes padrões de qualidade. 

Estou falando da Peruzzo Vinhas & Vinhos, localizada no paralelo 31 sul, 1º Distrito de Bagé, propriedade da família Peruzzo, tradicionais empresários da região.

A Vinícola Peruzzo é comandada por Eder Peruzzo, engº Agronomo de formação, com  especialização em enologia na França, e ainda conta com a supervisão de Adolfo Lona, um dos mais experientes e competentes enólogos em atividade no Brasil.

O projeto teve início em 2003 com a implantação dos vinhedos em 16 hectares de um total de 180 que fazem parte da propriedade. Em 2008 apresentou seus primeiros produtos: um Cabernet Sauvignon, um Chardonnay, um espumante Extra-Brut, produzido pelo método champenoise e um Demi-Sec.

Os vinhedos foram preparados para oferecer qualidade e produtividade, não superior a 2 quilos de uvas por planta. A meta final, estipulada para este ano  é colher entre 130 a 140 mil quilos de uvas, de forma a garantir uma produção de 100 mil garrafas.

Degustei todos os produtos e gostei de todos, especialmente o espumante Extra-Brut.  

 Os altos investimentos feitos na vinícola e a reconhecida capacidade empreendedora dos Peruzzo, não deixam dúvidas, sobre o sucesso deste novo empreendimento da familia .

 

Ainda não foi desta vez !

Uma das tarefas mais difíceis nas minhas incursões por este universo vitivinícola é  a de encontrar um vinho ruim produzido pela Valmarino de Pinto Bandeira na Serra Gaúcha e não é  por falta de tentativa, pois já tomei uma boa parte dos seus rótulos, desde os mais  tops, até os mais simples, além de um espumante fantástico !

Quando ganhei este Cabernet Sauvignon 2012, um dos que eu ainda não havia provado, pensei  que havia chegado o momento, pois  além de ser um vinho da linha básica deste produtor, o preço abaixo dos 30 reais era mais um indício.

avalmarino

Mas hoje  quando decidi abrir o Cabernet da Valmarino que havia ganho e exalar os primeiros aromas que saiam da garrafa recém aberta, desconfie que eu poderia estar enganado, a confirmação veio a seguir, quando degustei o primeiro gole.  Novamente eu estava diante de um belo vinho, desta vinícola que  me surpreende com  a sua capacidade de fazer bons vinhos e pela sua política de preços .

Ainda não foi desta vez que eu encontrei um vinho ruim da Valmarino, mas continuarei tentando e prometo que quando conseguir, vou publicar sobre esta raridade aqui neste espaço.

A inacreditável história dos Brunellos de Bagé !

Na ultima quarta-feira fui até o Supermercado Nacional (Walmart) de Bagé-RS, comprar um vinho para presentear um amigo e acabei me deparando com um dos fatos mais inusitados e inacreditáveis que já presenciei, durante todos estes anos em que me tornei um consumidor habitual de vinhos. 

bage

Ao chegar no corredor dos vinhos, fiquei curioso ao avistar na prateleira, algumas garrafas de Brunellos Di Montalcino, pois não é muito comum encontrar um vinho desta grandeza, no supermercado de uma pequena cidade do interior, mas a grande surpresa aconteceu ao me aproximar dos vinhos, não conseguia acreditar no valor que eu estava vendo impresso na etiqueta abaixo das garrafas.    photo1 (3) (480x640)

Minha primeira reação foi pegar o celular e fotografar, para fazer uma brincadeira com os amigos,  pois imaginei tratar-se de um equívoco, em nenhum momento achei que aquele preço fosse real. Imagine só um Brunello Di Montalcino vendido no Brasil, por apenas 80 reais( 34 dólares) !  

Mas depois de refeito da surpresa, passei a considerar a possibilidade do valor estar correto,  tratei de verificar a etiqueta detalhadamente e em princípio, não encontrei nada errado,  então achei que poderia ser alguma ação de marketing, visando neutralizar a proximidade com o free shop de Aceguá, pensei na hipótese de se tratar de algum lote encalhado e confesso que também imaginei coisas piores. 

Mesmo desconfiado daquela estranha situação, decidi que não deveria perder a oportunidade inédita de comprar Brunellos, a preços inferiores aos praticados nos free shop,   e  foi assim que comprei a única caixa do Brunello Di Montalcino Collina dei Lecci 2007 que havia na loja, segundo informações da atendente.

Incrédulo e satisfeito com tamanha barbada, coloquei os vinhos no carrinho e me dirigi ao caixa,  não sem imaginar que na hora de fazer o pagamento o erro finalmente seria detectado, mas para minha sorte o preço era  os 80 reais que constava na etiqueta.

O mais inacreditável desta história dos Brunellos de Bagé, é que um dos propósitos da minha viagem à Campanha Gaúcha, era  exatamente comprar vinhos no free shop !

 

 

O segredo e a magia do vinho da Bruxa

Um ilustre  desconhecido do grande público consumidor e até mesmo de muitos enofilos engajados, se destaca  no meio da multidão por se tratar de um vinho nacional  comprovadamente orgânico e o único que eu conheço que  ostenta no rótulo, o selo de garantia de  PRODUTO ORGÂNICO BRASIL , emitido pela SisOrg- Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade Orgânica,  válido para qualquer produto orgânico comercializado no Brasil, inclusive produto importado.

photo1 (8) (236x640)

 Há três anos atrás, quando provei o Hex Von Wein  pela primeira vez, fiquei encantado com o seu estilo elegante   e com o seu baixo preço, lembro de ter comprado  várias garrafas e nas diferentes oportunidades em que o degustei, ele sempre correspondeu as expectativas. 

No inicio deste mês numa degustação as cegas, que relatei no post anterior, o Hex Von Wein voltou a confirmar que é um belo vinho, continua mantendo o mesmo padrão , a mesma qualidade e por incrível que pareça, continua custando os mesmos 30 reais .

 O Hex Von Wein é produzido artesanalmente  pela pequena vinícola que leva o mesmo nome do vinho, localizada em Picada Café, próxima a Nova Petrópolis na Serra Gaúcha, sua produção é limitada a pouquíssimas garrafas em cada safra.

O seu grande defeito é a dificuldade de encontrá-lo, pois não está a venda nas lojas especializadas !

Vinho nacional de 26 reais é primeiro lugar em degustação as cegas

Na noite do último sábado,  a Confraria Clube do Tinto de Porto Alegre, que vai completar 10 anos no próximo ano, realizou uma degustação as cegas, com  vinhos de pequenos produtores e garagistas do Brasil, Chile, Argentina e Uruguai.

Um grupo formado por 10 enófilos, degustaram seis vinhos tintos varietais,  das uvas Cabernet Sauvignon(Brasil), Cabernet Franc(Argentina), Tannat(Uruguai), Teróldego(Brasil), Syrah(Chile) e Merlot(Brasil). No final, cada degustador fez o seu ranking e a soma das melhores colocações , serviu para a elaboração de um ranking geral.  É bom que se diga que não foi utilizado nenhum critério técnico de avaliação, apenas a  experiência, sensibilidade e a percepção, olfativa e gustativa dos participantes.

degustação2

O Valmarino Merlot 2013, com a sua imbatível combinação  qualidade e preço baixo, foi o primeiro colocado no ranking geral,   considerado o melhor  da noite, por 7 dos 10 degustadores, o que para mim não foi nenhuma surpresa, pois já conhecia o seu potencial e sempre achei que  numa degustação as cegas,  poderia superar vinhos mais caros e  complexos.

photo2 (4) (254x640)

O segundo colocado, foi o ótimo Miras Cabernet Franc  2010 da Patagônia, um vinho com muita qualidade e  complexidade. 

photo3 (4) (284x640)

O vinho que obteve a terceira colocação, foi talvez a mais agradável surpresa, por se tratar de um vinho desconhecido da grande maioria do público consumidor. O Hex Von Wein(Vinho da Bruxa) Cabernet Sauvignon 2011 de Picada Café, é o único vinho nacional que eu conheço que traz estampado no rótulo o selo de Produto Orgânico do Brasil . Ficou a frente de 3 vinhos de maior preço e foi o segundo mais barato da degustação.

photo1 (8) (236x640)

Abaixo, segue a descrição completa dos vinhos degustados e o ranking geral :

degustação1

 degustação

 

– Bruta Bestia Teróldego 2013 – Arte da Vinha – Garibaldi-RS-Brasil- R$ 35,00 – 5º lugar

– Hex Von Wein- Cabernet Sauvignon 2011- Picada Café-RS-Brasil-R$  30,50 – 3º lugar

– Valmarino Merlot 2013- Pinto Bandeira-RS- Brasil- R$  26,00 – 1º lugar

– Miras Cabernet Franc 2010-Patagônia- Argentina-R$  89,00 – 2º lugar

– Emoción Syrah 2008- Starry Night-Vale do Maipo- Chile- R$  69,00 – 6º lugar

– De Lucca Reserve Tannat 2011- Canelones-Uruguai- R$  49,41 – 4º  lugar