Posts com a tag:Vale dos Vinhedos

Só não é Champagne porque é feito no Brasil!

Por , 05/07/2017 18:51

Olá amigos!


No início de junho, durante o último encontro do Projeto Winemaker, realizado no Castelo Benvenutti em Garibaldi na Serra Gaúcha, tive o privilégio e o prazer de degustar um novo espumante que será lançado somente em 2019, quando completar 10 anos de maturação.

O Íride Miolo Brut 2009, foi elaborado pelo método Champenoise e o nome é uma homenagem à esposa de um dos fundadores da Vinícola.

abcwinemaker1.2jpg

Fiquei impressionado com a grande qualidade deste espumante, no visual apresenta uma linda cor dourada, perlage intenso e persistente, aromas de leveduras,frutas secas, mel e tostado, na boca é fresco e estruturado, possui ótima acidez e uma mistura de tudo que senti no aroma.

abcwinemaker1

Na minha opinião, só não é um Champagne, porque é  feito no Brasil, pois em termos de qualidade, nada fica a dever aos bons espumantes daquela região.

Agora é só aguardar 2 anos para conferir !

Indícios de uma grande safra 2017 na Serra Gaúcha

Por , 16/12/2016 15:26

Prezados Amigos!

A sexta-feira amanheceu ensolarada, com boas notícias e lindas imagens, vindas diretas do Vale dos Vinhedos que dizem respeito ao Projeto Winemaker Vinhos Tintos da Miolo, do qual estou participando.

É com prazer que compartilho com vocês o conteúdo que recebi da equipe técnica da vinícola Miolo na manhã de hoje.

 

“Boa dia Winemakers….

Aqui na Miolo o Vinhedo, Winemakers Vinhos Tintos, está cada dia mais belo, com o nível de produtividade ideal ! Os dias na serra gaúcha estão um espetáculo a parte, o clima está muito favorável para a maturação da uva,madrugadas frias com temperaturas que chegam a 8ºC graus e dias que ao amanhecer indicam temperaturas de 10 a 15ºC graus e tardes quentes que chegam a máxima de 30ºC graus.

abvui
O Estágio Fenológico da uva se encontra no final do pré-fechamento e início do fechamento do cacho. O próximo passo é o Estágio Pintor, onde obteremos a coloração da uva, ocorrendo em meados de janeiro.

abvui1

Winemakers estamos presenciando dias ensolarados, dignos de uma obra de arte a céu aberto… que favorecem muito e nos indicam que teremos uma excelente safra! ”  

 

Angheben Reserva Merlot Safra 2000

Por , 07/04/2016 16:49

Dias destes, pesquisando as minhas imagens  de vinhos que degustei há mais de 10 anos, tive a grata surpresa de encontrar  a foto de um dos melhores vinhos nacionais que já tomei até hoje.

O Angheben Reserva Merlot Safra 2000, era um vinho elegante, de corpo médio, taninos macios e muito redondo, que me lembrava  de alguns Bordeaux, antes da parkerização.

Bebi este Merlot pela primeira vez, entre 2003 e 2004  e gostei tanto que  o comprava com frequência, até  que  um belo dia  ele sumiu do mercado. Não estou bem lembrado se esta foi a sua última safra, mas sei que foi a que ficou marcada na minha memória.

Naquele tempo os Angheben faziam seus vinhos com uvas compradas de terceiros, cultivadas no Vale dos Vinhedos, passando mais tarde a produzir somente com uvas de vinhedos próprios em Encruzilhada do Sul.

anghebenmerlot

Mesmo já tendo passado mais de uma década da última vez que o degustei,  as vezes ainda lembro com saudade deste belo vinho, uma criação do professor Francisco Idalêncio  Angheben  e seu filho Eduardo,  quando a revolução da indústria de  vinhos nacionais, dava os seus primeiros passos.

Achei que devia compartilhar esta história com meus leitores, para testemunhar a qualidade de um vinho, feito há 16 anos atrás, por uma pequena vinícola brasileira que  não se rendeu ao mercado  e as técnicas de fazer vinhos “modernos,” ao longo de todo  este tempo  e continua até hoje,  fiel aos seus princípios de elaborar apenas vinhos autênticos,  a preços acessíveis.

Lamento apenas que o fotógrafo que fez o registro, não estava inspirado e  a qualidade da foto ficou comprometida, mas isto é apenas um detalhe !

Chegou a Freixenet brasileira

Por , 08/10/2015 18:21

Já está a venda nas boas casas do ramo, a Freixenet brasileira, produzida pela vinícola Miolo, em parceria com Freixenet espanhola que supervisionou todo o processo. 

afreixenet

A Freixenet gaúcha, foi elaborada com as uvas Chardonnay e Pinot Noir, cultivadas no Vale dos Vinhedos, em Bento Gonçalves-RS, através do método Champenoise, na versão Brut, envelheceu por 9 meses nas caves subterrâneas da Miolo e seu teor alcóolico é de 12%.

O preço médio do mercado, está em em torno de 40 reais .  Provei e gostei, é de boa qualidade e creio que vale o preço, mas não está entre os grandes espumantes nacionais, pelo menos na minha opinião!

Surge mais um excelente vinho nacional !

Por , 03/03/2014 10:56

Quando comprei este vinho, fui aconselhado a deixá-lo guardado por um tempo, para que pudesse mostrar todo o seu potencial . 

Consegui esperar uns seis meses no máximo, mas num jantar da família no final de fevereiro, não resisti a curiosidade e decidi abrir a garrafa.

Para que tivéssemos um parâmetro, degustamos antes, um dos vinhos que considero  estar entre os melhores do País, o Máximo Boschi Merlot 2004.

Após uma decantação de aproximadamente, 1 hora e meia,  servi o vinho as cegas  para os outros dois enófilos que me acompanharam na degustação, evitando que o rótulo pudesse trazer qualquer tipo de influência.

Mesmo ainda um pouco fechado no inicio,  já deu mostras  de que estávamos diante de um  vinho de grande qualidade, com o passar do tempo foi abrindo e a cada taça, os aromas foram ficando cada vez mais intensos , numa profusão de frutas vermelhas maduras, toques herbáceos e café . Na boca se mostrou elegante, muito equilibrado, acidez perfeita e final persistente.

photo (15) (640x478)

Em sua segunda safra apenas, o Elephant Rouge 2011, já entra para o seleto grupo dos  grandes vinhos nacionais. Agradou em cheio ! Na comparação ( as cegas para os meus 2 parceiros) com o Máximo Boschi Merlot 2004, consideramos estar num nível superior !

photo (11) (478x640)

Assino em baixo das afirmações do produtor deste belo vinho,  Jean Claude Cara  e da  Sonia Denicol, uma das profissionais que mais entende de vinhos nacionais; este vinho vai   ficar muito melhor com o passar dos anos. Mas  já está muito bom hoje !

Como a produção é de poucas garrafas, se ainda existir alguma a venda, vou tratar de comprar.

 

 

Para quem não gosta de vinhos estilo Coca-Cola

Por , 23/02/2014 18:13

Preconceito é uma das piores coisas da vida ! Tem gente que não bebe vinho nacional por puro preconceito e desconhecimento.

Eu bebo vinho do mundo todo e adoro o vinho brasileiro e acreditem, não tem nada a ver com nacionalismo!

photo (11) (640x478)

Estes dois exemplares  produzidos na Serra Gaúcha, foram feitos para quem não gosta de vinhos estilo Coca-Cola!

O Máximo Boschi Merlot 2004, está completando 10 anos de idade! Tem sabedoria e equilíbrio de um idoso e o vigor de um jovem!

O Valmarino Cabernet Franc 2008, ainda tem a impetuosidade da juventude, mas tem saúde suficiente para envelhecer com dignidade!

photo (3) (399x640)

Nada contra quem gosta de beber vinho padronizado, seja chileno, argentino, americano ou de qualquer outro País, cada um escolhe o seu vinho de acordo com os seus critérios e isto precisa ser respeitado, só não pode é  deixar de tomar um bom vinho, por ouvir falar que o vinho nacional, ou  é de baixa qualidade ou é caro. 

Panorama Theme by Themocracy